Resumo do Livro: Feliz Ano Novo

Capa do Livro Feliz Ano Novo

O livro “Feliz ano novo”, foi publicado em 1975, pelo premiado autor brasileiro Rubem Fonseca. Trata-se de um livro de contos que, na data de sua publicação, sofreu intensa repressão da censura militar, tendo sido tirado de circulação e proibido de circular no ano seguinte. Entre os vários contos, alguns recebem destaque, como o Entre vários contos com críticas sociais, pode-se destacar: “Feliz Ano Novo”, “Passeio Noturno” e “Pedido”.

 

O conto central do livro é justamente o que dá nome ao título: Feliz ano novo. Nele, o personagem principal, Pereba e o personagem narrador conversam no apartamento deste na noite de ano novo. Zequinha chega ao apartamento e diz que estava aguardando umas armas que viriam de São Paulo. Então os três vão ao apartamento de uma velhinha, Dona Cândida, buscar as armas. As armas eram do Lambreta e seriam usadas no dia 2 para assaltar um banco na Penha, subúrbio do Rio de Janeiro.

 

Eles retornam para o apartamento com as armas e para elas ficam olhando por muito tempo. Eles então decidem usá-las naquela mesma noite para assaltar uma festa de bacanas. Roubam um carro e partem para São Conrado a procura da casa ideal. Encontram uma festa com pouca gente, colocam as meias na cabeça e entram. Mandam todos deitarem no chão, rendem os empregados e Pereba sobe com uma mulher para encontrar uma senhora doente que estava na parte de cima da casa.

 

Pereba não somente violenta a mulher que foi feita refém como também esta e a outra que irá encontrar. O narrador personagem arranca o dedo da senhora para roubar o anel que não saía. Ao descerem novamente, comem a ceia e um dos homens diz que podem levar tudo, que não vão dar queixa à polícia. Isso revolta ainda mais o narrador personagem, pois percebe que o que roubaram não era nada perto do que os ricos tinham.

 

Com raiva, manda o homem se levantar e atira, tentando grudá-lo na parede com a força da potente arma. O bando então mata mais um homem, violenta outra mulher. Volta para casa, estende uma toalha no chão com as comidas que roubaram e brinda com um “Feliz ano novo”.

 

O conto é um dos mais reconhecidos da literatura de Rubem Fonseca que, foi escrivão da polícia durante anos e conhece como ninguém os mecanismos que assolam a violência. Ele também é mestre em retratar o universo policial brasileiro.