Resumo do Livro: Helena

Capa do Livro Helena

“Helena”, de Machado de Assis, foi um dos romances do autor que originalmente foi publicado em folhetim – ou seja, capítulo a capítulo, o que era muito comum para os anos do século XIX. Os capítulos saíram no jornal “O Globo”, entre os meses de agosto e novembro de 1876. Foi um dos romances machadianos que começa a desenhar o que seriam as suas personagens femininas mais notáveis – Virgília, Sofia e Capitolina.

 

O enredo de “Helena”, é narrado em terceira pessoa, por um narrador onisciente, que já apresenta também traços de niilismo.  A história se passa entre os anos de 1850 e 1851, com um tempo cronológico que dura cerca de 1 ano. O espaço em que se passa a ação é o Rio de Janeiro, em uma chácara na cidade de Andaraí.

 

Um dos personagens apresentados no início da narrativa é o Conselheiro Vale, que logo morre. Trata-se de um homem rico, e quando se dá início à abertura do seu testamento todos tomam conhecimento da existência de Helena, fruto de um caso amoroso com uma mulher que havia migrado do Rio Grande do Sul, para terras cariocas. E aí a confusão está armada.

 

A jovem é levada a morar no Rio de Janeiro, em Andaraí, e logo ganha a simpatia dos moradores da casa. Dona Úrsula e até o filho a acabam aceitando. A situação é tal que Helena assume seu lugar na família como uma mulher de fibra, uma verdadeira dona de casa, cuida muito bem de todos, dirige a casa melhor do que D. Úrsula e impressiona a sociedade em geral.

 

Nada parece sair muito dos moldes românticos até então, mesmo Helena se apresentando como uma personagem de grande fibra. Acontece que Estácio e Helena se apaixonam e aí vem o clímax do livro, já que Estácio se martiriza por se apaixonar por sua suposta irmã e Helena, também apaixonada, escondia algo que poderia mudar tudo, mas não queria abrir mão da herança. Aqui Machado começa a fazer as contestações que lhe serão costumeiras em livros mais à frente: por que às mulheres somente é dada a oportunidade de ascender por meio do casamento.

 

Um dia, Estácio resolve seguir Helena em uma de suas saídas misteriosas, perto da chácara da família. Lá, encontra Salvador que revela ser ele o pai de Helena e não Conselheiro. Nesse mesmo dia, Helena fica totalmente debilitada e vem a falecer. Embora Helena morra, ela se distingue das personagens românticas por apresentar os primeiros indícios de ser forte e destemida.