Resumo do Livro: Meu Pé de Laranja Lima

Capa do Livro Meu Pé de Laranja Lima

“Meu pé de laranja lima”, é um clássico da literatura juvenil brasileira. Escrito por José Mauro de Vasconcelos, escrito ainda no final dos anos de 1960. Embora seja um livro que fale de um outro momento social e histórico trabalha com a perspectiva universal das agruras que cercam a infância e início da juventude, o que o torna um livro completamente atemporal. Meu pé de laranja lima é um dos romances mais premiados da literatura juvenil, bem como apresenta um dos maiores números de reedições. Em vida, o próprio José Mauro teria afirmado que grande parte do sucesso do livro se devia a sinceridade das cenas narradas, que tinham sido inspiradas em sua própria vida e infância.

 

O livro narra as diabruras de Zezé, uma menino danado e que é membro de uma família quase miserável. Sempre encrenqueiro, ele estava metido em todo o tipo de confusão, e por conta disso, era comumente punido pelos pais que não eram lá dados aos carinhos, conversas e apoio. Ele tinha três irmãos: Jandira, Glória e Totoca. O pai de Zezé estava desempregado e sua mãe trabalhava em uma fábrica, ela passava o dia todo trabalhando para garantir o sustento de sua família.

 

Eles se veem obrigados a mudar de casa, para um local bem pobre, por conta da grande dificuldade econômica em que a família vivia. Lá, Zezé conheceu seu amigo que a partir dali seria um grande companheiro: o pé de laranja lima. Ao longo do tempo, Zezé foi cuidando da árvore e ela crescia cada vez mais e ficava cada vez mais linda. Com ela, ele passava horas conversando e sonhando com brincadeiras divertidas. O pé de laranja lima parecia ter vida e entender todas as angústias e agonias que o menino não tinha com quem confidenciar.  Como ele era um menino muito sagaz, Zezé sempre aprontava na escola, mas nem por isso sua professora deixava de gostar dele.

 

Havia um português na vizinhança de Zezé, o Portuga, por quem o garoto irá devotar grande amizade. E ela será recíproca, uma vez que entendendo o menino, o Portuga passa a levar o menino em passeios, a brincar com ele e a lhe fazer um papel de pai, já que o de Zezé era extremamente ausente.

 

A amizade dos sois se consolida de tal forma, que os dois passam a ser quase inseparável. Acontece que Portuga morre em um trágico acidente, deixando o menino totalmente inconsolável e marcado para a vida toda.